Denunciados 19 indígenas pela morte de irmãos agricultores em Faxinalzinho

Passados 14 meses de análise do caso, o Ministério Público Federal em Erechim, denunciou nesta quarta-feira (dia 21/09) pelo menos 19 indígenas pelos assassinatos dos irmãos Alcemar Batista de Souza e Anderson de Souza, ocorridos em 28 de abril de 2014, em Faxinalzinho, no Norte gaúcho. O grupo, oriundo do Acampamento Kandóia, vai responder pelo crime de homicídio doloso (com intenção de matar), podendo pegar até 30 anos de prisão. No inquérito sobre o caso, a Polícia Federal havia indiciado 26, em julho do ano passado.
A denúncia, assinada pelo procurador da República Carlos Eduardo Raddatz Cruz, detalha que os irmãos, agricultores que residiam na região do crime, foram mortos ao desobstruir o bloqueio de uma das estradas vicinais ligando o interior de Faxinalzinho à cidade executado pelos índios, que faziam protesto pela demarcação de terras na região.
O MPF relata que esse grupo de 19 índios, armados com espingardas, pedras e pedaços de pau, perseguiu e assassinou os irmãos dentro de um milharal como uma retaliação pela desobstrução da estrada, a Linha Coxilhão.
A denúncia também salienta que “a natureza das lesões corporais identificadas nas vítimas, correspondente a diversas perfurações por projéteis de arma de caça, contusões e escoriações”, aliada aos objetos encontrados no local do crime – pau, lança e pedras, além de um cartucho de espingarda – sugerem que Alcemar e Anderson “sofreram agressões provocadas por um grande número de agentes e suportaram dor e sofrimento intensos” até morrerem.
De acordo com o MPF, os indígenas responsáveis pelo crime foram vistos, após os crimes, por mais de uma testemunha, “com vestígios de sangue na roupa, e, especialmente, correndo em sentido oposto ao ponto onde foram executadas as vítimas”.
O procurador da República juntou, além das provas materiais, o relato de 13 testemunhas que corroboram para a acusação. A denúncia do MPF vai ser agora analisada pela Vara Federal de Erechim.

Fonte e fotos: AU Online

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *

*

error: Conteúdo Protegido. Entre em Contato.